quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

O planeta NT


 Muitos somos tantos

















Ninguém é uma ilha, muito menos eu!
As distâncias que percorri não são km nem milhas
Foram passos que dei libertando o lado louco de mim
Com prazer, com alegria, com paixão, com coração
Houve sofrimento, houve contentamento
Muita insanidade, muita liberdade
E muitos, muitos amigos.
Vieram, ficaram, partiram, hão-de vir
E assim nos vamos libertando
Ninguém é uma ilha!
Por onde andei, por onde sapateei
Bebi com todos, nos paraísos onde aplanámos
Vivi com todos nos lagos líricos onde ancorámos
E, do meu ser moribundo, entre amigos despontei
Somos filhos do mesmo cacho
Fomos tirados à mesma cepa
A vida não é para nós comum
Mas temos em nós
O sangue que nos une
Nesta aventura sem fim
A ilha somos todos nós
O mar que nos rodeia tem corais de afeto
Vivemos em árvores onde se cheira unidade
Corre um rio entre nós num leito de amizade
Somos a corrente que não fecha
O seu peito sempre aberto.
Não sou nem quero ser uma ilha
Quero continuar a ter-vos por perto
Sempre que possa, enquanto possa
A minha alegria, o meu espirito
São como a árvore que cai na floresta:
Só a ouvem cair se por lá andar alguém!
Eu quero que a floresta onde habito
Conte convosco

Yeeeeeesssssssss !!!!



























joaocasaldafonte


peço desculpa aos autores mas desta vez as fotos são de todos






Um cacho de penas bizarro


Divagações exóticas... 


Boneca de Copacabana eu sonhei ser,
Na savana virgem da mata africana!
Sou filha adoptiva de Maria Joana,
Paro no jardim boticas onde vou viver!
Ando de cá para lá mostrando meu véu,
De sinos tocando nas nuvens de fumo aromático!
Exala do meu peito em flor a chama do árctico,
Que dança um reggae jamaicano nos prados do céu!
Afinal que sou eu neste cais cheio de luz?
Partem cegonhas, chegam navios,
Ao mundo por onde viajo chegando à ilha de sais feéricos!
Afinal quem sou eu aqui neste lago onde a água reluz?
Atraio tempestades, incendeio pavios,
E o fogo incendeia-me a alma libertando sonhos psicadélicos!

joãocasaldafonte

A foto é do Amadeu Agostinho