sábado, 13 de dezembro de 2014

SERRA DE AIRE E ALMONDA

No ultimo sábado em mais uma atividade dos Novos Trilhos fomos até ao Ribatejo Norte, mais própriamente à Serra de Aire, situada no maciço calcareo estremenho no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

O ponto de encontro foi no parque da empresa Renova junto à nascente do rio Almonda que me viu nascer ha 51 anos. Juntou-se todo o grupo e partimos em direcção ao arrife que subimos a corta-mato para começar bem o dia!


A partida...


Chegados ao arrife (palavra de provavel origem árabe "Rif" que significa  borda da área cultivada) que consiste numa escarpa de falha que se estende desde cerca de Rio Maior até perto de Ourém, podemos com o belo dia de sol pleno observar a bela paisagem sobre o planalto do alto ribatejo.






Casais Martanes ao fundo




Continuamos pelo arrife até à imediações dos limites com o vizinho concelho de Alcanena e infletimos para norte em direcção ao chamado "Vale da Serra" por caminhos e "carreiros" orlados da vegetação caracteristica desta região, herbácia e arbustiva entre os quais se conta o medronheiro.







Iniciámos a subida para a serra de aire por um estreito caminho até à chamada "Pedreira do Espanhol" onde após 2 horas de caminhada fizemos o já histórico "Banana Time" e apreciámos as vistas.


 
Pedreira do Espanhol

Banana Time




Pedrógão de Aire


 
Após termos o breve lanche iniciámos a subida pelo trilho do vale Fojo e atingimos o topo da serra de Aire, junto às antenas e com as condições atmosféricas excecionais em termos de visibilidade espantámo-nos ao observar na linha do horizonte em direcção a Leste, as elevações do maciço da serra de São Mamede, terras de Portalegre, Castelo de Vide e Marvão e por certo já terra espanholas, que se situam a cerca de 150 km e neste dia e pela primeira vez consegui avistar.


O Trilho



 



Vale do Fojo




No final do Vale do Fojo




O Cume da Serra de Aire à vista!


Aproveitámos o local para almoçarmos os piqueniques que trouxemos e partimos em direção à Gouxa Larga, segundo planalto da serra de Aire e após serpentearmos pelos pequenos bosques de carvalho cerquinho chegámos ao inicio do trilho do vale Garcia, descida para a zona de Alqueidão e Pafarrão no meio de um bosque arbustivo que lhe confere um cariz distinto do resto da caminhada.


  



Almoço Time



Vertente Norte com Fátima ao fundo





 




De novo no arrife acima da aldeia de Pedrógão de Aire, caminhámos num caminho rural pelo vale acima do arrife até ao parque de merendas.




Vale da Serra ao fundo
 
Descemos até perto da aldeia de Casais Martanes por entre pequenos trilhos, arbustos e vedações até de novo subirmos ao arrife  de onde descemos diretamente para a nascente do almonda.





Represa da nascente do Almonda











Depois de observarmos o grosso caudal da nascente, partimos para os carros, onde tirámos a habitual foto de grupo e partimos para a aventura doceira, presenteados com uns belíssimos pasteis de gila oriundos de sines e finalmente por uma bela receita italiana, polenta doce que estava divinal!




E assim acabou mais uma monumental visita à serra de Aire, que me viu nascer e onde de vez quando volto como que a recuperar pilhas para continuar o meu périplo!

Até pra semana em Óbidos!