segunda-feira, 22 de julho de 2013

Lagoa de Albufeira



O dia amanheceu cinzento e de nevoeiro e tal como combinado comparecemos na praia da Lagoa de Albufeira ali para os lados de Alfarim e Meco com algum atraso devido a problemas de trânsito na ponte sobre o Tejo.

Lagoa de Albufeira pela Manhã


A praia estava deserta quando começamos a nossa actividade pelo areal a sul até à praia do Meco onde inflectimos para o interior e pelo Pinhal voltámos à Lagoa.




A caminho do Meco



Praia do Meco




Dirigimos-nos à foz para verificar o melhor local para atravessar o areal para norte e depois de várias tentativas concluímos que o melhor ponto para a travessia seria precisamente no local onde a agua da lagoa encontra o mar e sempre com algum cuidado descalçamos as botas e iniciamos a travessia que decorreu tranquilamente sem sobressaltos.

A preparar a travessia da lagoa





Em seguida contornámos a margem norte da Lagoa até à herdade da Apostiça e continuamos nas margens da Lagoa por mais algum tempo, findo o que voltamos a rumar a norte pelos caminhos do pinhal rumo à praia da Fonte da Telha.

Margem norte






Restos de madeira



Não sem antes pararmos para o banana time...


Banana time


Durante o caminho do pinhal por vezes o trilho tornava-se monótono, um piso com bastante areia e paisagem repetitiva, foi quando tive a ideia de subir algumas ravinas sobranceiras ao caminho que para espanto meu e dos restantes se revelaram bastante difíceis por via da quantidade de areia tornando difícil a progressão na subida.




subida da duna




Depois de muitas subidas e descidas que muito animaram o grupo chegámos finalmente à Fonte da Telha onde iniciámos o caminho para sul pela famosa Mata dos Medos e onde pudemos admirar a arriba fóssil que carateriza este segmento de costa e lá continuámos subindo e descendo onde o trilho das arribas nos levava ora subindo, ora descendo, admirando as escultura que a erosão esculpiu nas arribas.



arriba fóssil


descida da arriba com corda




trilhos das arribas


E assim se passou a segunda parte da actividade caminhando aventureiramente pelas arribas com alguma escalada e dificuldades de várias ordens pelo caminho...


 


Quando chegámos ao final e nos preparávamos novamente para a travessia, deparámos com a maré cheia e avisos dos vigias da praia que não podíamos atravessar ali pelo que tivemos de contornar a lagoa até ao ponto onde a maré fosse mais baixa e se conseguisse efectuar a travessia em segurança.

Com a ajuda da equipa dos vigias da praia lá encontrámos um vau onde foi possível atravessar apesar de termos agua até à cintura e termos de transportar as mochilas à cabeça.... ossos do oficio de quem se aventura... 



Mas ainda assim a travessia decorreu com segurança e normalidade e desta forma atingimos o ponto inicial, onde mudamos de roupa, fizemos alongamentos e bebemos a tradicional "bejeca" pós-caminhada,




Bem hajam por mais uma grande aventura!