domingo, 31 de março de 2013

“Bastão & Picolé”


- “Picolé” vais à caminhada amanha?
- Vou claro que vou! Onde é?
- É nos picos da Malveira. Temos de estar na casa do Francisco á 8:30!
- 8:30? Porra tão cedo?! E na casa do Francisco? Porque é que tem de ser sempre na casa dele? A gente temos de ir para lá e ele não precisa de sair de casa, não sabe o que é um gajo levantar-se cedo, gastar combustível, andar á procura de boleia. Porra é sempre a mesma coisa. Na sei, acho que na vou. Se não o fizermos sentir que tá a ser injusto ele não aprende e eu não quero tar sempre a cantar a Grândola. Na, na vou!
- Vai haver lanche, vamos comemorar as sessenta caminhadas e festejamos a Páscoa em grupo!
- Hã? Lanche? Queres dizer… comes e bebes?! Pinga boa e bom rancho?!
- Sim, é isso mesmo! Como é vou ai buscar-te?
- Ok, passa por aqui! Mas não venhas muito cedo, preciso de dormir mais um bocadinho depois de acordar e se me acordas eu vou andar rabugento o resto do dia.
-  Ok chefe!.... (porra que paciência, como é que eu aturo ainda esta gajo)
No outro dia às 8:00 em ponto
- Tou aqui… desces ou vou buscar-te?
- Porra… já? É pá… na dormi nada de noite a pensar que isto de levantar cedo na dá saúde nenhuma e o despertador tamém acho que adormeceu, esperas um bocadinho só pa acabar este sono que eu já desço, tabém?
- Não! Ou desces já ou vou-me embora, não quero chegar atrasado!
- Pronto, ok, na te zangues, espera um bocadinho…
00:30 depois
- Até que enfim! Agora tenho de acelerar para não chegar atrasado, és sempre a mesma coisa! Olha cá, não trazes nada para o lanche?
- Trazer coisa pó lanche? Atão mas o lanche não é o Francisco que oferece?
- Não! Claro que não! O Francisco ofereceu espaço na casa dele para a festa, mas o morfes somos nós que levamos!
- Ó porra! Na tenho nada! Na trazes qualquer coisa a fazer conta comigo? E sa gente passasse por um supermercado?
- Tás maluco! Vamos embora, não hás-de ficar com fome. Só se te der para teres vergonha!
Começa a caminhada
- Ó “Bastão”, tá a chover! Né melhor voltar pa trás? Já tenho as botas molhadas e não truxe nada que me tape… vamos embora?
- Vai tu! Eu estou bem!
Mais á frente
- Gaita paristo! Já tamos a subir! O qué que vamos lá acima fazer? Isto assim é cruel, o Francisco com estas manias do sobe e desce tá a perder aderência, qualquer dia espalhasse.
Um pouco mais á frente
- Atão e agora? Vamos descer estas escadas cheias de lama?... Porra pá, fiquei enterrado! Olha pás minhas botas e calças! Que raio de estradas é que ele páqui arranjou? Ouve lá… o lanche tem de ser muita bom pa compensar isto!
- É igual ao que trouxeste!
- Porra pá! Eu na merecia isso da tua parte, anda um gajo aqui a sofrer e ainda tem de aturar desaforos?! Essa magoou!
- Peço desculpa, foi sem intenção!
Um pouco dum pouco mais á frente
- Chiça! Já tá a chover outra vez! Nem dá tempo pá secagem… mas o que é isto? Um rio? Agora temos de passar um rio? Fónix! E depois? Vamos subir uma ladeira cheia de lama é? E descer uma ladeira empinada? E subir uma ladeira cheia de ramos e troncos de eucalipto? E atravessar uma estrada cheia de carros pa passar por um pântano tapado com ervas pá gente se enterrar todos?
- Não sei se vamos fazer isso tudo mas tou em crer que sim! E olha, aquele monte que está a ver daqui? Vamos passar por lá.
- O quê!!!! Tá tudo maluco????
- Estamos sim senhor! A insanidade afectou-nos profundamente! Agora não á nada a fazer!
- Mas olha lá! O monte não se vê! Tá cheio de nevoeiro! Na vamos lá fazer nada! Ouve bem o que te vou dizer: se eu sair daqui doido como vocês, alguém vai ficar com remorsos ai isso vai!
Lá mais á frente perto do fim
- Já no fim! Atão levantei-me tã cedo só pa andar isto? Nem fizemos os picos todos!
- Então… chegou-se á conclusão que o esforço não compensava! Não se vê nada lá em cima e deve estar frio.
- Mariquices! Tá tudo mas é com fome e com medo que o papagaio vá depenicar o bolo de espinafres e meter o bico na rolha da galhofa e depois ninguém o cala!
- Também é um bocadinho isso, mas eu acho que o papagaio não gosta de bolo! Voltando á caminhada, eu gostei muito, a malta divertiu-se, as dificuldades já não nos metem medo, foi pena não irmos aos picos todos, mas extraordinário é chegar lá acima ver todo o horizonte e sentir os cheiros e a brisa a infiltrar-se por nós dentro, com tudo fechado pelo nevoeiro não valia a pena. Foi muito bom. Agora vamos ao lanche!
- Porra! Tu tás poético comó caraças, onde é que tiveste a beber que eu na vi?
Depois das garrafas vazias
- “Bastinho”!? vamos embora! Isto tá uma chachada, a musica muita alta, uns bailarinos da treta, ninguém vai ó banho na piscina pá malta rir um bocado, andam páqui pa trás e pá frente ós pulos e a cantar mas sem piléria nenhuma, ná na tou com pachorra! E a comida, e a pinga? Já não há! E tamém na tava nada de jeito!
- Porra… ó “Picolé” do caraças! Tenho-te aturado o dia todo mas paciência tem limites! Comeste que nem o alarve, bebeste como uma esponja, estás bêbado que nem um casco, não trouxeste nem um pacote de amêndoas, e agora queres ir-te embora porque tás farto? F*************!!!!!
- É pá! Ó “Bas”, tás chateado comigo? Possa, na quero mai nada contigo, vou falar com o Francisco, esse ao menos ouve as pessoas, compreende-as e até lhes dá conselhos e apoio, é um verdadeiro amigo e companheiro!
- Tá bem, vai lá vai e desampara-me a loja…
Cinco segundos depois
- “Bastinto”, empresta-me ai a chave do carro pa eu ir dormir…
- Já?! Então?
- O Francisco tá irritado comigo, diz que abri a porta da gaiola e foi por isso que o piriquito fugiu, pa mir embora antes que perca a cabeça e na ouvi mai nada co homem irritado na se pode aturar!
- Espera ai! A porta da gaiola?! Mas o que é que tu fizeste?
- Nada pá! Só tentei que o gato se desse bem com o passarinho, nunca pensei co gajo bate-se ca porta e desse com a asa ao canelo…
- É pá, o que é que eu faço contigo? Toma lá a chave e vai dormir vai…
Acabou…

Será que estes dois vão aparecer mais vezes? Não perca, os próximos episódios…